02 March 2010

DINHEIRO PÚBLICO PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA


As escolas públicas no Brasil encontram-se cada vez mais sucateadas. Faltam bibliotecas, e essas quando existem possuem um acervo desatualizado e reduzido; faltam laboratórios de informática e ciências naturais (física/química/biologia), e quadras de esporte são quase inexistentes. Além disso, cerca de 4 milhões de jovens ficam fora das universidades todos os anos por falta de vagas. Contudo, o governo federal insiste em continuar destinando apenas 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país para investimentos na área da educação.
Porém, para o pagamento da dívida pública, dívida essa que já foi paga por diversas vezes, o governo brasileiro não faz questão de economizar. Quando somados os valores do pagamento de juros e encargos da dívida (R$ 127,1 bilhões) e a amortização (R$ 106,1 bilhões), chega-se ao mon­tante de R$ 233,2 bilhões que serão gastos no pagamento da divida financeira. Se somarmos a isso a parcela do orçamento em rolagem da divida (títulos velhos que são trocados por títulos novos) chega-se ao mon­tante de R$ 758,8 bilhões. Portanto, quase a metade do orçamento fiscal e da seguridade social de 2009 (48%) está comprometida com os credores financeiros do governo.
Fica claro assim, que o dinheiro dos cofres públicos, dinheiro que deveria ser utilizado para a melhoria das condições de vida da população, está sendo usado para o enriquecimento de quem já é rico, ou seja, os banqueiros, enquanto o povo continua sem moradia, saúde e educação de qualidade.
Portanto, é necessária a organização dos estudantes através de um movimento estudantil combativo para protestar contra o absurdo pagamento da dívida pública e por mais investimentos na educação, pois só dessa forma será possível a conquista de uma educação pública, gratuita e de qualidade.

PELO FIM DO PAGAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA!
POR MAIS INVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃO!

Amanda Augusta
Presidente da AMES - Teresina e militante da
União da Juventude Rebelião