25 November 2010

Estudantes voltam às ruas em Londres

Milhares de estudantes londrinos tomaram as ruas no dia 24 de novembro em protesto contra o aumento das mensalidades nas universidades inglesas decidido pelo governo do primeiro-ministro David Cameron do Partido Conservador. Os estudantes marcharam em frente a residência oficial do primeiro ministro e se dirigiam até o parcelamento quando foram reprimidos pela polícia. Cerca de 100 estudantes presos e muitos ficaram feridos.



Ainda durante o protesto, os estudantes ocuparam as universidades em Plymouth, Birmingham, Londres e Bristol. Marchas e outros protestos também estão acontecendo em universidades e colégios em Manchester, Liverpool, Sheffield, Oxford, Cambridge, Leeds, Newcastle e em várias cidades da Escócia.

O plano do governo é cortar o orçamento para a educação superior em até 40% (81 bilhões de libras) e eliminar as bolsas para professores e financiar gastos do governo com o aumento das taxas dos empréstimos estudantis. Pelo plano do governo, o piso das anuidades dos empréstimos passaria de 3.290 libras para 6 mil libras e algumas universidades poderiam cobrar até 9 mil libras.

Em outra manifestação duas semanas antes, os estudantes ocuparam a sede do Partido Conservador contra as medidas anti-educação do governo.

ENEM não resolve exclusão de estudantes da universidade

O Ministério da Educação vem tentando convencer todas as universidades públicas a abandonarem o anterior formato do vestibular, tecnicista e focado na memorização de fórmulas, pelo formato de concorrência do ENEM. O MEC não se propõe, no entanto, a acabar com a exclusão da juventude da universidade pública. Os 3,3 milhões de estudantes que realizaram a prova do ENEM concorrem apenas a 100 mil vagas do Prouni e pouco mais de 200 mil vagas em universidades públicas. Ou seja, na melhor das hipóteses, 3 milhões de estudantes ficarão excluídos da universidades no ano de 2011.

UJR: livre acesso à universidade pública

Mais de três milhões e trezentos mil estudantes fizeram a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) nos dias 6 e 7 de novembro deste ano e se depararam, mais uma vez, com a frustração e a decepção com a aplicação e organização desta prova em todo país.

O Ministério da Educação vem tentando convencer todas as universidades públicas a abandonarem o anterior formato do vestibular, tecnicista e focado na memorização de fórmulas, pelo formato de concorrência do ENEM. O MEC não se propõe, no entanto, a acabar com a exclusão da juventude da universidade pública. Os 3,3 milhões de estudantes que realizaram a prova do ENEM concorrem apenas a 100 mil vagas do Prouni e pouco mais de 200 mil vagas em universidades públicas. Ou seja, na melhor das hipóteses, 3 milhões de estudantes ficarão excluídos da universidades no ano de 2011.

Os dados sobre a exclusão da juventude do ensino superior são realmente impressionantes. Apenas 15% dos jovens conseguem ingressar nas universidades e, desses, 75% pagam mensalidades em universidades privadas para continuarem estudando.

Não bastasse toda a pressão por participar de uma concorrência difícil e injusta como essa, milhares de estudantes enfrentaram provas impressas erradamente, confusões nos locais de prova e suspeitas de fraude no processo. Dentre as várias causas desses problemas, a principal está na contratação de empresas privadas que detêm o controle da impressão e contratação de pessoal para a realização da prova.

Com a divulgação dos casos e as respostas vazias e insuficientes por parte do governo, têm crescido a indignação e a insegurança de estudantes de diferentes estados para com o exame.

A União da Juventude Rebelião (UJR) convoca os estudantes a transformarem essa indignação em ação na defesa do livre acesso à universidade e do direito à educação. A UJR defende ainda que todos os estudantes prejudicados com a má realização do exame tenham direito a fazer uma nova prova tendo garantidas as condições de igualdade nas questões.

Defendemos o livre acesso ao ensino superior com investimento público em educação pública! A luta é o caminho para a conquista dos direitos da juventude!

União da Juventude Rebelião - UJR Coordenação Nacional

21 October 2010

AMES-Teresina Completa 4 anos de luta!!!!


Histórico da AMES
No dia 2 de setembro de 2006, os estudantes de diversas escolas da cidade de Teresina se reuniram na unidade escolar João Clímaco D'Almeida para fundar a AMES(Associação Municipal dos Estudantes Secundaristas de Teresina) com o objetivo de dirigir as lutas dos estudantes por seus direitos, papel esse que não vinha sendo cumprido pelas entidades representativas até então existentes.
A partir daí, o movimento estudantil teresinense ganhou uma nova cara.No seu primeiro mês de funcionamento, a AMES- Teresina organizou um torneio esportivo que reuniu estudantes de dezenas de escolas da capital, onde foram realizados campeonatos de futebol, handebol, etc.No ano seguinte, depois de anos de imobilismo, os estudantes de Teresina ocuparam as ruas em passeata para homenagear o estudante Edson Luis assassinado em 1968 pela ditadura militar brasileira, realizando em seguida uma sessão solene na câmara de vereadores de Teresina, e além disso, organizando um abaixo assinado reivindicando melhorias nas escolas públicas, merenda para o ensino médio e fim de pagamento por cópias e provas.Em maio de 2007, a AMES organizou uma grande bancada para o II ENOET( Encontro Norte e Nordeste de Estudantes Secundaristas ) que aconteceu na cidade de Fortaleza-CE.No mês de outubro, a AMES realizou uma manifestação com cerca de 700 estudantes para reivindicar a redução do preço da carteira estudantil( que na época custava R$ 16,00) para o valor de R$ 10,00.Em dezembro, a AMES organizou uma delegação para participar do 37º Congresso da UBES( União dos Brasileira dos Estudantes Secudaristas na cidade de Goiânia-GO.
Em 2008, no mês de março, os estudantes mobilizados pela AMES ocuparam mais uma vez as ruas da capital para homenagear Edson Luis, porém além disso ocuparam a prefeitura de Teresina para exigir a redução do preço da carteira de estudantes.Realizou uma vitoriosa campanha de formação de grêmios estudantis, onde várias escolas tiveram eleições realizadas e grêmios fundados.No mês de setembro, a AMES realizou o seu II Congresso na Unidade Escolar Benjamim Batista e contou com a presença de cerca de 100 alunos de diversas escolas, com o objetivo de renovar a diretoria da entidade e fortalecer a luta.
No ano de 2009, mais uma vez a AMES organizou a já tradicional passeata em homenagem à Edson Luis, percorrendo as ruas da cidade, mas além disso, os estudantes ocuparam as dependências da CMEIE( Comissão Municipal Expedidora de Identidade Estudantil) para mais uma vez exigir a redução do preço da carteira de estudante.No mês de setembro, a AMES organizou uma delegação para participar do I Encontro Nacional de Grêmios da UBES, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro-RJ.No mês de dezembro, a AMES organizou a delegação
piauiense para o 38º Congresso da UBES.
No ano de 2010, no mês de março a AMES organizou debates em várias escolas em homenagem ao centenário do dia internacional da mulher.Organizou a passeata homenagem à Edson Luis e ocupou a frente do palácio de Karnak( sede do governo estado) para reivindicar melhoria nas escolas e resolução de problemas tais como: falta de professores, laboratórios de informática fechados, falta de livros nas bibliotecas, etc.No dia seguinte, uma comissão de alunos de todas as escolas presentes na manifestação se reuniu com a então sub secretária de Educação Maria Xavier de onde foram arrancadas varias promessas de melhorias para a educação.No mês de maio, a entidade organizou a maior delegação do nordeste para participar do III ENOET na cidade de Belém no Pará.
Mas, as lutas deram algum resultado?
Muitas foram as conquistas arrancadas com a luta e a organização dos estudantes.Direitos como merenda para o ensino médio, livros didáticos de todas as matérias, laboratórios de informática que funcionam, quadras cobertas e ar-condicionado em algumas escolas podem ser citados entre as conquistas dos estudantes de nossa cidade, ao contrário do que diz o governo do estado.Além disso, a redução do valor da carteira de R$ 16,00 para R$ 14,40, embora seja pequena, representou uma grande vitória fruto das diversas manifestações, ocupações e abaixo-assinados organizados pelos estudantes juntamente com a AMES-Teresina.
Portanto fica bem claro, que para garantir seu direito é preciso lutar, pois SÓ CONQUISTA QUEM LUTA!!!

10 June 2010

Abaixo o Vestibular

A universidade deve pintar-se
de negro, mulato, operário e camponês!
A educação é um direito, pois todo estudante
conclama a sua vez!
Ou o povo invadirá e pintará
com as cores que quiser!
Por vagas iguais a todos!
Essa é a bandeira onde ela estiver!
LIVRE ACESSO À EDUCAÇÃO,LUTAR PARA GANHAR!
A PALAVRA DE ORDEM É
ABAIXO O VESTIBULAR! [ 2X ]
No conhecer há um latifúndio,
com cercas lucrativas que juntos vamos romper!
E quem não paga é excluído,por que pro empresário sem dinheiro não tem vez!
Sustentamos uma máfia de cursinhos,
diga não a esse funil!
Pois nossa luta pelo livre acesso
cresce em todo Brasil.
Subversivos

28 May 2010

AMES- Teresina organiza delegação ao IV ENOET

Em decorrência das poucas oportunidades de ingresso no ensino superior por conta do número insuficiente de vagas nas universidade públicas, há uma procura cada vez maior pelo ensino técnico profissionalizante.Porém, as escolas técinas e tecnológicas do nosso país ainda não oferecem uma educação de qualidade, pois ainda apresentam diversos problemas, tais como por exemplo: falta de materiais didático, professores, laboratórios, etc.
Diante disso, se faz cada vez mais importante a organização e luta dos estudantes dentro das escolas técnicas, pois apenas dessa forma é possível mudar essa realidade.Por conta disso é que nos dias 15 e de 16 de maio de 2010, na cidade de Belém-PA, a diretoria de escolas tècnicas da UBES- União Brasileira de Estudantes Secundariastas juntamente com a UJR- União da Juventude Rebelião realizaram o IV ENOET- Encontro Norte e Nordeste de Estudantes de Escolas Técnicas e Tecnógicas,que contou com a participação de cerca de 300 estudantes vvindos de diversos estados.
Nos seus dois dias, o encontro foi regado de bastante debate e de muitas propostas, e temas como o financiamento, assistência estudantil, regulamentação profissional e democracia interna também foram bastante debatidos pelos estudantes, que colocaram a realidade de cada escola em todos os estados.Além disso, as escolas técnicas estaduais também foram discutidas, pois enfrentam problemas muito maiores do que os institutos federais.
A AMES- Teresina organizou uma grandiosa bancada para participar do IV ENOET, composta por alunos do IFPI e também pelos alunos das escolas técnicas estaduais PREMEN- Sul e PREMEN- Norte, que tiveram uma intensa participação em todos os debates do evento.Em consequencia disso, o estado do Piauí foi escolhido para sediar o V ENOET no ano de 2011.

É necessário perceber qual a importancia que vai ser a realização do V ENOET em nosso estado, pois vai representar mais um passo no sentido da luta para conquistarmos uma educação técnica que seja realmente de qualidade.

25 May 2010

AMES- Teresina REPUDIA O AUMENTO DA PASSAGEM


No último dia 15 de, a população da Teresina sofreu uma grande golpe: o aumento da tarifa do trasporte coletivo da cidade que passou de 1,75 para 1,90 na calada da noite e sem nenhuma discussão com os usuários. O SETUT- Sindicato das empresas do transporte coletivo de Teresina usou como justificativa para o aumento o reajuste do salário dos trabalhadores rodoviários.
Porém, a verdade é que nada justifica o valor da passagem de ônibus em Teresina, visto a longa espera nas paradas, e as péssimas condições da frota que circula na capital.O alto preço da passagem também faz com que centenas da trabalhadores e estudantes se desloquem quilômetros à pé ou de bicicleta todos os dias por não o dinheiro para pagar a sua passagem.Além disso, os trabalhadores continuam a receber baixos salários enquanto os empresários lucram cada vez mais às custas do suor dos que trabalham.
Portanto a AMES-Teresina repudia o aumento das passagens e reafirma a sua luta pelos direitos dos estudantes e do povo.

05 May 2010

600 Estudantes vão as ruas em Teresina.

No mês de março realizaram-se dois protestos na capital Piauiense, na qual os estudantes organizados pela Ames - Teresina e a UJR - União da Juventude Rebelião estiveram presentes nas ruas, fazendo suas denúncias e reivindicando seus direitos.

O primeiro, no dia 15 de Abril de 2010, em uma audiência pública ocorrida na câmara de vereadores de Teresina, onde os representantes da AMES - Teresina, a UJR e outras lideranças Estudantis, falaram em defesa da Carteira Estudantil e seu controle pelas entidades estudantis, já que hoje está nas mãos da prefeitura e a instalação da CPI na CMEIE (Comissão Expedidora de Identificação Estudantil) para investigar para onde foi dinheiro das carteirinhas, redução do valor das Carteiras para R$ 10,00. Já que, conquistamos a redução em 2009/2010 que foi de R$16,00 para R$14,40.

O segundo protesto foi no dia 25 de Março. Os estudantes percorreram as ruas do centro de Teresina até chegarem ao Palácio do Karnak (sede do Governo do Piauí). Estiveram presente cerca de 600 estudantes das escolas: João Clímaco, Liceu Piauiense, Barão de Gurgueia; José Amável, Joca Vieira, IFPI etc. Dessa vez além da carteira estudantil, a luta foi em defesa da educação, pois se encontra bastante distante de uma boa qualidade, tanto é que faltam: ventiladores ou ar-condicionados nas salas de aula, merenda, reforma nas quadras de esporte e material para prática esportiva, livros para-didáticos, e os alunos são obrigados a pagar por cópia de textos e pelas provas realizadas a cada bimestre.
Através de cartazes, jornais e debates realizados nas escolas a AMES realizou uma grande campanha de conscientização a cerca do PNDH3 (Plano Nacional dos Direitos Humanos 3), o uso do dinheiro do pré-sal para investir na educação, bem como as demais bandeiras da jornada nacional de março “ Edson Luis Vive”.
Como resultado da jornada, a câmara de vereadores analisa a instalação da CPI da CMEIE; a SEDUC (Secretária de Educação do Piauí), recebeu uma comissão de estudantes, ouviu as reivindicações e se comprometeu apenas a resolver os problemas dos ventiladores e merenda escolar, e as demais situações a secretária disse que o governo não tem dinheiro para investir nas escolas. Que vergonha! Apesar da repercussão nas TV´s e Jornais escritos de nosso estado, a cerca da crise na educação, nada disso foi o bastante para o governo do Piauí ligado aos partidos PT/PSB/PCdoB/PMDB/PTB, mudarem de postura em relação ao descaso em que se encontra o ensino oferecido aos filhos dos trabalhadores Piauienses. Para nós estudantes fica a certeza de que a luta deve continuar, e que voltaremos às ruas e venceremos.

Amanda Augusta
Presidente da AMES-TERESINA e MILITANTE da UJR- União da Juventude Rebelião PI/MA

02 March 2010

DINHEIRO PÚBLICO PARA A EDUCAÇÃO PÚBLICA


As escolas públicas no Brasil encontram-se cada vez mais sucateadas. Faltam bibliotecas, e essas quando existem possuem um acervo desatualizado e reduzido; faltam laboratórios de informática e ciências naturais (física/química/biologia), e quadras de esporte são quase inexistentes. Além disso, cerca de 4 milhões de jovens ficam fora das universidades todos os anos por falta de vagas. Contudo, o governo federal insiste em continuar destinando apenas 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país para investimentos na área da educação.
Porém, para o pagamento da dívida pública, dívida essa que já foi paga por diversas vezes, o governo brasileiro não faz questão de economizar. Quando somados os valores do pagamento de juros e encargos da dívida (R$ 127,1 bilhões) e a amortização (R$ 106,1 bilhões), chega-se ao mon­tante de R$ 233,2 bilhões que serão gastos no pagamento da divida financeira. Se somarmos a isso a parcela do orçamento em rolagem da divida (títulos velhos que são trocados por títulos novos) chega-se ao mon­tante de R$ 758,8 bilhões. Portanto, quase a metade do orçamento fiscal e da seguridade social de 2009 (48%) está comprometida com os credores financeiros do governo.
Fica claro assim, que o dinheiro dos cofres públicos, dinheiro que deveria ser utilizado para a melhoria das condições de vida da população, está sendo usado para o enriquecimento de quem já é rico, ou seja, os banqueiros, enquanto o povo continua sem moradia, saúde e educação de qualidade.
Portanto, é necessária a organização dos estudantes através de um movimento estudantil combativo para protestar contra o absurdo pagamento da dívida pública e por mais investimentos na educação, pois só dessa forma será possível a conquista de uma educação pública, gratuita e de qualidade.

PELO FIM DO PAGAMENTO DA DÍVIDA PÚBLICA!
POR MAIS INVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃO!

Amanda Augusta
Presidente da AMES - Teresina e militante da
União da Juventude Rebelião

08 February 2010

Chapa Rebele-se vence congresso da UBES no Piauí


No dia 14 de novembro de 2009, no auditório do CEMJA Prof. Benjamim Batista, aconteceu a etapa estadual do 38 Congresso da União Brasileira de estudantes Secundaristas, entidade nacional que cumpriu históricamente o papel de lutar contra a ditadura militar e o facismo e pela libertação do povo do nosso país, mas que hoje infelismente encontra-se cada vez burocratizada e distante da realidade dos estudantes.
Durante o processo de eleição de delegados para o congresso, a AMES-TERESINA juntamente com a UJR_União da Juventude Rebelião ,percorreram cerca de 45 escolas da capital,realizando eleições diretas para escolha dos delegados, fazendo a defesa do fim do vestibular, mais verbas para a educação,

Ser Jovem é ser revolucionário


A juventude é a fase mais importante de nossas vidas. Queremos conquistar o mundo, mas muitos nos dizem que devemos nos conformar. Nossas aspirações de acesso ao conhecimento e de obter uma profissão se deparam com a péssima educação que nos é oferecida a com a exclusão do vestibular devido a falta de vagas nas universidades.


Ao mesmo tempo vemos o futuro e a vida com que sonhamos esbarrarem na violência crescente, no desemprego que atinge 40% dos jovens, na falta de espaços de lazer, cultura e esporte, na repressão policial nos bairros pobres, e ainda nos dizem que somos o futuro do país.



Acontece que para a sociedade em que vivemos, o capitalismo, tudo tem um único objetivo: a obtenção do lucro. Para garanti-lo, vale deixar milhões de famintos, escolas e hospitais sucateados para cobrar com serviços privados, proliferar as drogas e até mesmo explorar sexualmente crianças e adolescentes, tudo para ampliar lucros e manter os privilégios dos ricos desse país, da burguesia.


Por conta disso é que mesmo o Brasil sendo um dos 10 países mais ricos do mundo, cerca de 50 milhões de brasileiros vivem na pobreza, e essa realidade nenhum programa social consegue esconder. A causa dessa exploração é que um pequeno grupo de ricos e milionários, mantém sob seu controle as terras, fábricas, meios de transporte e os meios de comunicação, enquanto a imensa maioria da população tem que se submeter a trabalhar para aumentar essas riquezas, sem usufruir delas.

Precisamos transformar essa realidade, e só se organizando para lutar por um mundo novo, de igualdade entre os homens e mulheres, em que ninguém sobreviva da exploração do trabalho dos outros e que todos possamos viver em harmonia, é que conseguiremos alcançar esses objetivos. Esse mundo novo é a sociedade socialista e por ela lutamos


Esse é o papel da União da Juventude Rebelião – UJR. Fundado em 1995, a UJR tem se consolidado como uma das principais trincheiras da juventude brasileira, organizando lutas em defesa dos seus direitos e da construção do socialismo no Brasil e no mundo.


A UJR é uma organização que reúne jovens (revolucionários), dispostos a lutar por uma revolução, (e) inspirados nas idéias do marximo-leninismo e no exemplo vivo de Che Guevara, Zumbi, Manoel Lisboa, Mariguella, Olga Benário, Anita Garibaldi, Sônia Angel e tantos outros.


Em especial nesse momento em que tem aumentado a ofensiva do imperialismo sobre a América Latina, com a implantação de bases militares na Colômbia, a reativação da 4° Frota Naval, o golpe em Honduras e tantas outras ameaças patrocinadas pelos grandes capitalistas do mundo, precisamos unir a juventude para lutar contra o imperialismo e pelo socialismo.


A todos os jovens combativos e dispostos a transformar essa realidade a União da Juventude Rebelião faz um convite à luta, um convite a construção de um mundo novo, de um mundo socialista!


Junte-se a nós! Lute pelo SOCIALISMO!